quinta-feira, 2 de abril de 2009

Posso bloquear as ligações vindas do presídio?


Na semana passada me ligaram de um número desconhecido. Me disseram que estavam com o meu filho que era pra eu depositar um dinheiro aí, não sei pra quem. Eu respondi que não vou depositar nada, que não tenho filho e que a partir de maio ele não poderá mais me ligar porque eu vou me cadastrar no PROCON. O José Serra fez uma lei que impede as empresas de fazerem telemarketing para vender produtos a consumidores do Estado de São Paulo que se cadastrarem numa determinada lista.

Depois do caso passado eu fiquei pensando que esse cara que me ligou poderia ter argumentado mais. Ele poderia ter me explicado que a lei do Serra impede que os cadastrados recebam telefonemas vendendo produtos ou serviços, mas não impede que sejam pedidos donativos, que sejam passados trotes ou que as pessoas sejam amedrontadas por bandidos. Além do mais esse meu interlocutor estava provavelmente dentro de um presídio, portanto não poderia ser punido porque já está preso.

Então concluímos que o tal Decreto do Governador não impede que um bandido me ligue para passar trote, apenas impede que uma empresa faça um trabalho honesto e correto, que é oferecer e vender. Hoje, o serviço de telemarketing é responsável por cerca de 60% das vendas de alguns produtos no Brasil. Em nota, a Associação Brasileira de Telesserviços declarou que, no momento em que milhares de brasileiros já foram afastados de suas funções devido aos efeitos da crise econômica mundial, esse cenário pode se agravar ainda mais com um número imprevisível de demissões nas empresas de call center. Mas o Governador pensa diferente: ele acha que é só não ligar pra quem já não quer mesmo receber ligações e, portanto, que não iria comprar nada.

Dá pra ver que o Serra nunca trabalhou em comércio. Ele não sabe que as pessoas não consomem somente aquilo que precisam, mas sim aquilo que sonham (e isso é bom para o mercado). Muitas moças, clientes de uma determinada academia de ginástica que eu conheço não estariam treinando se, um dia, não houvessem recebido uma ligação convidando-as para tal. Se perguntassem a elas antes, se queriam ou não receber ligações de alguma coisa, certamente algumas delas diriam que não. Mas receberam, gostaram da idéia, começaram a treinar e, hoje, não ficam sem a academia.

Eu concordo que o Telemarketing, às vezes, enche o saco. Mas é só falar “não” para o vendedor e pronto. Agora, em nome da suposta PAZ do consumidor, vamos abalar um mercado que emprega tanta gente, em plena Crise Mundial e no momento que as indústrias já estão desempregando? Qual será o efeito em cascata que isso poderá produzir? Afinal, se a central de vendas funcionar menos, a fábrica diminuirá a produção e gerará um efeito em cadeia. Falando em cadeia, tomara que nenhum dos profissionais atingidos pelo novo decreto resolva migrar para o ramo do cara que me ligou na semana passada.