segunda-feira, 19 de julho de 2010

A diferença entre Religião e Solidariedade


Faz algum tempo que eu deletei deste blog todos os artigos que não eram de minha autoria. Manter apenas textos escritos por mim talvez fosse a melhor maneira de externar aos leitores aquilo que de fato aprendi. Mas na última semana eu recebi um e-mail de um amigo que, em seu conteúdo, trazia exatamente a idéia que eu defendo, por isso resolvi publicá-lo.


Para complementar ainda, eu gostaria de dizer que a religião tem gerado problemas dentro das empresas quando um dos envolvidos (empresário, funcionário, cliente ou fornecedor) não entende a idéia abaixo.
Observação: Eu já havia encaminhado esse texto aos meus amigos no final de semana. Recebi algumas respostas e transcrevi seus comentários abaixo, vindos do Danilo, André, Vitória e Julio Cesar.


Aguinaldo Oliveira
---------------------------


Parece mentira, mas foi verdade. No dia 1°/Abr/2010, o elenco do Santos Futebol Clube, atual campeão paulista de futebol foi a uma instituição que abriga trinta e quatro pessoas. O objetivo era distribuir ovos de Páscoa para crianças e adolescentes, a maioria com paralisia cerebral. Ocorreu que boa parte dos atletas não saiu do ônibus que os levou. Entre estes, Robinho (26a), Neymar (18a), Ganso (21a), Fábio Costa (32a), Durval (29a), Léo (24a), Marquinhos (28a) e André (19a), todos ídolos super-aguardados.


O motivo teria sido religioso, a instituição era o Lar Espírita Mensageiros da Luz, de Santos-SP, cujo lema é Assistência à Paralisia Cerebral. Visivelmente constrangido, o técnico Dorival Junior tentou convencer o grupo a participar da ação de caridade, mas sem sucesso. Posteriormente, o Santos informou que os jogadores não entraram no local simplesmente pormotivos religiosos.
Dentro da instituição, os outros jogadores participaram da doação dos 600 ovos, entre eles, Felipe (22a), Edu Dracena (29a), Arouca (23a), Pará (24a) e Wesley (22a), que conversaram e brincaram com as crianças.



Eis que o escritor, conferencista e Pastor (com P maiúsculo) ED RENÉ KIVITZ, da Igreja Batista de Água Branca (São Paulo), fez uma análise profunda sobre o ocorrido e escreveu o texto abaixo que eu gostaria de compartilhar com todos.
____________ _________ _________ _________



No Brasil, futebol é religião (por Ed Rene Kivitz)


Os meninos da Vila pisaram na bola. Mas prefiro sair em sua defesa. Eles não erraram sozinhos. Fizeram a cabeça deles. O mundo religioso é mestre em fazer a cabeça dos outros. Por isso, cada vez mais me convenço que o Cristianismo implica a superação da religião, e cada vez mais me dedico a pensar nas categorias da espiritualidade, em detrimento das categorias da religião.


A religião está baseada nos ritos, dogmas e credos, tabus e códigos morais de cada tradição de fé. A espiritualidade está fundamentada nos conteúdos universais de todas e cada uma das tradições de fé. Quando você começa a discutir quem vai para céu e quem vai para o inferno; ou se Deus é a favor ou contra à prática do homossexualismo; ou mesmo se você tem que subir uma escada de joelhos ou dar o dízimo na igreja para alcançar o favor de Deus, você está discutindo religião. Quando você começa a discutir se o correto é a reencarnação ou a ressurreição, a teoria de Darwin ou a narrativa do Gênesis, e se o livro certo é a Bíblia ou o Corão, você está discutindo religião. Quando você fica perguntando se a instituição social é espírita kardecista, evangélica, ou católica, você está discutindo religião.


O problema é que toda vez que você discute religião você afasta as pessoas umas das outras, promove o sectarismo e a intolerância. A religião coloca de um lado os adoradores de Allá, de outro os adoradores de Yahweh, e de outro os adoradores de Jesus. Isso sem falar nos adoradores de Shiva, de Krishna e devotos do Buda, e por aí vai. E cada grupo de adoradores deseja a extinção dos outros, ou pela conversão à sua religião, o que faz com que os outros deixem de existir enquanto outros e se tornem iguais a nós, ou pelo extermínio através do assassinato em nome de Deus, ou melhor, em nome de um deus, com d minúsculo, isto é, um ídolo que pretende se passar por Deus.


Mas, quando você concentra sua atenção e ação, sua práxis, em valores como reconciliação, perdão, misericórdia, compaixão, solidariedade, amor e caridade, você está no horizonte da espiritualidade, comum a todas as tradições religiosas. E quando você está com o coração cheio de espiritualidade, e não de religião, você promove a justiça e a paz. Os valores espirituais agregam pessoas, aproxima os diferentes, faz com que os discordantes no mundo das crenças se deem as mãos no mundo da busca de superação do sofrimento humano, que a todos nós humilha e iguala, independentemente de raça, gênero e inclusive religião.


Em síntese, quando você vive no mundo da religião, você fica no ônibus. Quando você vive no mundo da espiritualidade que a sua religião ensina ou pelo menos deveria ensinar, você desce do ônibus e dá um ovo de páscoa para uma criança que sofre a tragédia e miséria de uma paralisia mental.


Ed René Kivitz, cristão, pastor evangélico, e santista desde pequenininho.

7 comentários:

  1. Aguinaldo que Deus abençoe muito você e sua casa.
    nós devemos viver o que pregamos,do contrario é uma grande perca de tempo dizer que cremos nisso ou naquilo, se não temos o testemunho de vida do que cremos.
    infelizmente é isso que acontece,as pessoas dizem ser ,mas não são nada e envergonhão o evangelho de Cristo.
    tenha um mês de Julho muiiiito abençoado você e todos os seus.
    estamos orando por todos.
    obrigado por tudo.

    fique com Deus.

    Pr. Julio

    ResponderExcluir
  2. André Doraciotto19 de julho de 2010 19:12

    Aguinaldo,

    Que texto maravilhoso deste Pr. - o mundo precisa de mais pessoas esclarecidas como esse homem, que entende que a fé em Cristo é amar ao próximo como a si mesmo.

    Me sinto envergonhado como cristão quando sei de atitudes como essa, e acredite essa é só uma entre milhares, de "irmãos em Cristo" ficam presos em sua religião e perdem a chance de praticar o amor ensinado por Jesus, que deu a sua vida para que nós pecadores. Olha essa passagem que está em qualquer biblia, no livro de Isaías:

    "Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniquidade; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós." Is 53:5-6

    O texto fala das nossas trangressões, iniquidades e que fomos saradas, ora se fossemos bons suficentes, porque precisamos de Jesus?

    Obrigado por compartilhar esse texto.

    Grande abraço,

    ResponderExcluir
  3. A MUITO TEMPO TENHO VIVIDO E TENTADO PASSAR AOS PRÓXIMOS ESTE SENTIMENTO DE AMOR INCONDICIONAL A DEUS E NÃO A RELIGIÃO, HOJE VEJO COMO A RELIGIÃO AFASTA AS PESSOAS DE DEUS.
    É MUITO TRISTE MAS É ASSIM QUE AS COISAS SÃO POR ISSO APRENDI A SENTIR A DEUS E VIVER ATRAVÉS DOS SINAIS DE DEUS E CRISTO SE ENGOLIR A IMPOSSIÇÃO DA RELIGIÃO.


    O NOSSO TRABALHO DE LIDERAR É JUSTAMENTE PARA SERMOS MENSAGEIROS DESTA VERDADE ESTA É A NOSSA MISSÃO.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom.
    Sempre pensei assim, só nunca soube argumentar com tanta sabedoria como este Pastor.
    Mas realmente é algo muito interessante!

    Ainda bem que nessa empresa hoje não há este tipo de problema, pelo menos eu nunca reparei. Isso faz com que não haja a separaçào dentre todos e acho muito legal isso!

    Não sabia desse fato com os meninos do santos, mas achei interessante também. Acredito que os rapazes quadrados que ficaram no ônibus eram evangelicos como eu, mas sem maturidade.

    Eu sou um tanto revoltado para igreja/religião, porque na igreja mostram que na bíblia jesus diz: "Portanto sedes Santos...!"...

    Mas não adianta, sou São Paulino mesmo com orgulho e amor...rs...

    Gostei do assunto!
    Muito boa abordagem.

    Valeu!

    ResponderExcluir
  5. Amauri Batista da Silva20 de julho de 2010 10:48

    Agnaldo, eu que sou neto de judeus e me casei com uma japonesa budista sofro muito com o preconceito religioso. Antes, quando eu era criança, os crentes sofriam preconceitos e eram até perseguidos mas hoje é o contrario, quem não é evangélico parece que é um leproso e não é aceito em determinados meios. concordo com o autor, concordo com você e fica o meu protesto. Amauri.

    ResponderExcluir
  6. Isso tudo é só a confirmação que o que conta são as atitudes. Palavras,o vento leva...

    ResponderExcluir
  7. É tão bom encontrar textos que conseguem explicar de forma tão clara o que acreditamos!! Foi isso que pensei ao ler o que esse Pastor escreveu. Fiquei muito feliz!

    ResponderExcluir

Para comentar este artigo, escreva seu comentário, assinale a opção "NOME/URL" e clique em "publicar comentário".

SUA OPINIÃO, FAVORÁVEL OU CONTRÁRIA, É FUNDAMENTAL PARA MOTIVAR O BLOGUEIRO. NÃO DEIXE DE ESCREVER!