segunda-feira, 29 de novembro de 2010

O poder da PNL


Programação Neuro Lingüística (ou PNL) é um estudo que se baseia nas mensagens que o ser humano passa a si mesmo, programando o seu próprio cérebro para que este trabalhe inconscientemente em busca de resultados que se objetiva conscientemente. Perece complicado, mas não é tanto. Nas próximas linhas eu tentarei expor o que conheço disso.

Imaginemos que nosso cérebro é um computador que comanda todo o nosso corpo. Ele é responsável por nos fazer andar, respirar, comer, rir, chorar, etc. Ele também é responsável pelos nossos sentimentos, que geram todo o nosso comportamento e, conseqüentemente nossos resultados. Como todo computador, é um hardwere e sai da fábrica com sua capacidade de executar comandos, mas não funciona se não tiver um softwere que dê os tais comandos. Nosso cérebro nasce sem nenhuma crença, verdade ou paradigma previamente instalado.

Ao longo do tempo, principalmente em nossa infância, o cérebro vai sendo programado linguisticamente, através de tudo aquilo que a gente escuta, vê, sente ou testemunha. Então quando somos criança, presenciamos coisas que nos geram sentimentos, alguns positivos e outros negativos. Esses sentimentos nos causam uma programação (trauma), que pode ser um estímulo a diversos comportamentos diferentes que levaremos por toda a nossa vida, ou ao menos por parte dela. Esses comportamentos são seguidos por nosso cérebro simplesmente porque ele entende que todas as vezes que se deparar com situações parecidas com aquela deve agir daquela forma (sistema 0 e 1).

Sair desse paradigma é importante para poder traçar os rumos que verdadeiramente quer na sua vida. Se quando você era criança, a sua mãe dizia que não era pra você conversar com estranhos, isso pode ter sido a causa de sua timidez, porque o comportamento de criança ordenado pela mãe permanece como verdade até hoje na idade adulta. Mas a boa notícia é que se o cérebro foi programado linguisticamente, ele pode ser RE-programado linguisticamente. Então ao invés de enviar a ti mesmo mensagens negativas e desanimadores, você pode escolher enviar mensagens positivas e animadoras.

A comunicação de você pra você mesmo, programa teu cérebro. Tudo que você ordenar ao cérebro ele vai transmitir ao resto do seu corpo. Então se você disser que vai tentar passar no vestibular, o cérebro (obediente que é) vai realmente TENTAR e mesmo que você não passar no vestibular, terá a sensação de missão cumprida, pois tentou. Por outro lado, se você disser que vai fazer alguma coisa, terá muito mais chances de fazer, pois trabalhará internamente pelo seu objetivo. Se acorda de manhã e já solta um palavrão por ter que ir trabalhar, o seu dia de trabalho será parecido com aquele palavrão. Se acorda e pensa que hoje vai fazer tudo dar certo, provavelmente conseguirá produzir bastante e isso te deixará feliz.

Não precisa acordar cantando e nem recitando um poema de Cora Coralina, apenas precisa mandar uma mensagem verdadeira dizendo que o seu dia será bom. Afinal, resolver suas pendências e conquistar seus objetivos farão com que você se sinta bem, não é? Então se reprograme, neurolinguisticamente.

16 comentários:

  1. Tem algo familiar nesse texto! Rsrs...

    ResponderExcluir
  2. Aguinaldo, Kant dizia que a persona é formada pelos inputs que recebe desde cedo.
    Tais inputs (informações) podem causar isto a que vc descreve como trauma. Com o tempo, este trauma se transforma num paradigma e paradigmas precisam ser quebrados apesar da dificuldade em fazê-lo.
    Quanto a PNL, me recordo de um texto que li sobre Winston Churchill, quando o mundo estava em guerra e noticiava-se que a Inglaterra tentava sobreviver. Isto afetou sobremaneira o comportamento dos soldados. Tudo mudou quando Churchill através de uma declaração que na verdade, a Inglaterra estava tentando PREVALECER. O resto da história, o mundo sabe.
    É isso.

    ResponderExcluir
  3. Carlos,
    Muito bom seu comentário, citando Immanuel Kunt e o episódio de Churchill. Pra vc ver que esse poder sempre existiu, mas nas últimas décadas vem sendo mais popularizada. Agora, além de saber a respeito, as pessoas precisam acreditar de verdade nisso.
    Obrigado pelas visitas e comentários.

    ResponderExcluir
  4. Sinceramente, acho bastante simplista a "solução" encontrada pela neurolinguística para a vida como um todo; está mais do que observado e testado que não é apenas o cérebro que "escreve" o enrredo da vida de cada um: há uma memória genética (que trazem informações fundamentais e q sequer são verbais; há momentos históricos, há coerções de irregularidades nos caminhos supostamente diretos, inclusive aqueles dados como "ordem" ao cérebro (que tem a menor noção da Teoria do Caos - uma teoria da Física - sabe disso, enfim, há uma complexidade de eventos muuuuuuuto maior do que julga a nossa pequena consciência individual, na coerção e formatação dos nossos comportamentos, ou melhor, dos nossos enredos de vida... Simplificando, é bom ter o remédio, mas ele não serve p TUDO na vida...

    ResponderExcluir
  5. Sinceramente, acho bastante simplista a "solução" encontrada pela neurolinguística para a vida como um todo; está mais do que observado e testado que não é apenas o cérebro que "escreve" o enrredo da vida de cada um: há uma memória genética (que trazem informações fundamentais e q sequer são verbais; há momentos históricos, há coerções de irregularidades nos caminhos supostamente diretos, inclusive aqueles dados como "ordem" ao cérebro (quem tem a menor noção da Teoria do Caos - uma teoria da Física - sabe disso), enfim, há uma complexidade de eventos muuuuuuuto maior do que julga a nossa pequena consciência individual na coerção e formatação dos nossos comportamentos, ou melhor, dos nossos enredos de vida... Simplificando, é bom ter o remédio, mas ele não serve p TUDO na vida...

    ResponderExcluir
  6. Minha opinião é que nada dá certo 100% mas se der certo 80% e puder ajudar a pessoa a se levantar ou ter uma vida melhor então já vale a pena. Maria Lucia.

    ResponderExcluir
  7. Eu acho que tem o lance da fé. O cara que acredita que vai fazer sempre consegue porque tem fé em Deus e faz.

    ResponderExcluir
  8. Às vezes esse tipo de teoria positivista (em vários sentidos, inclusive epstemológico) me soa meio "garrafada" que vendem nas feiras, sabe? Que serve para cravo com a mesma eficiência que para problemas na coluna, bexiga deslocada, tosse, tontura, desilusão amorosa, como afrodisíaco e por aí vai... Aposto q naquele voo da Air France, que caiu no Atlântico, tinha pessoas muito "positivas". Mas, acidentes acontecem... não escolhem idade, cor, projetos de vida, momentos felizes, nada. A vida é obcena, assim como seu negativo, a morte. As coisas se mostram elas como são e nós temos a OBRIGAÇÃO, com tudo isso, de sermos felizes. Seja via neurolinguística, seja via candoblé, seja nada, nada, nada, nada, nada, do q a gente pensa encontrar...

    ResponderExcluir
  9. Francisco, em primeiro lugar, obrigado por escrever. Mas em seguida quero dizer que o que a PNL trabalha não é sorte e nem destino, mas sim uma visão positiva das coisas. Se estou acreditando em algo, persisto até o fim. Mas se estou deprimido, desisto antes pois creio que não ia dar certo mesmo.
    Enfim, a PNL tem seu valor. No meu artigo não está escrito que resolve tudo. Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Aguinaldo, como sempre sutil na resposta. Gostei do assunto.

    ResponderExcluir
  11. Há pessoas que insistem em ficar pensando no "quão dificil é, tão mais complicado do que se imagina"! Parece que algumas carregam o "é difícil" para trazer mais mérito a tudo que fazem. Na área em que estou trabalhando isso é muito frequente e, pra mim, incômodo. Acho que agir como você, Aguinaldo, expôs no artigo envolve tomarmos a rédea da nossa vida e, dentro das nossas limitações, escolhermos as reações que teremos ao que nos acontece; é a forma que escolhemos viver.

    ResponderExcluir
  12. Sem "tecnizar" a PNL, o WLL, o XPTO ou o PONE (porra nenhuma)- Descumpem-me o linguajar - o que mais importa é que o individuo se torne receptivo. Aqui nao se esta falando de sorte ou azar. Existem essoas que são excelentes construtores: Constroem casas, condições, empresas, obras de arte, etc.. Mas não são capazes de construir seu proprio futuro (entenda-se aqui como a conquista de uma condição de vida no minimo confortavel. Ve-se exemplos disso por todos os lados: Cantores excelentes que não fazem sucesso, empresarios que falem uma empresa atraz da outra, pessoas inteligentissimas no completo anonimato, artistas que não são reconhecidos, etc etc.
    Lhes faltou sorte a estes personagens? Não. Não se trata exatamente de sorte, oportunidades ou simplesmente azar. Antes de tudo a pessoa tem que ser receptiva ao que o universo tem de bom ra ele. Segundo, aprender a se "re[rogramar" para enchergar as oportunidades e ter a energia suficiente para correr atraz daquilo que surtira resultados.
    E tenho dito.

    ResponderExcluir
  13. Muito certo, certíssimo! Mas... e aí? Apenas, quebrando idealizações de alguns, a tal PNL (ou seja como for) é tão específica - e portanto, restrita e até restritiva - quanto a psicanálise, por exemplo; sendo q esta parece ter um embasamento que - muitas vezes - vai além do 'eu acredito', da crença; mesmo q o paradigma seja uma PNL ou uma psicanálise (e eu pessoalmente atribuo muito mais cinsistência a esta), paradigma é paradígma e pra virar conceito fixo (ou pré-conceito ou preconceito) é um pulinho.
    Outra coisa: uma - aparente - 'falta' de sorte deve ser, sim, mais um cominho para a evolução, até no sentido em que falam os espíritas. A evolução, esta sim, 'é inevitável', como diria o biólogo Richard Dawkins. Ela não para, 'como seu cabelo cresce agora sem q você possa perceber'. Muitas vezes, a 'falta de sucesso' é justamente o caminho da evoluçao, é a destruição de crenças e paradigmas pessoais e/ou coletivos; muitas vezes uma morte, uma perda é uma 'janela' para uma estagnação evolutiva. Enfim, muitas vezes, e é bem comum, a gente pensa que aquele é o nosso desejo e 'PNLcamente' ou psicanaliticamente 'acreditamos' q é o bom, mas pode ser exatamente o oposto e insistimos em fórmulas racionais, 'programações', e agimos como um bebé se debatendo consigo próprio p sair de uma situação em q o 'se debater dele só piora! Talvez outras sensibilidades, intuições nos mostre menos claramente e com menos certezas, mas, com mais felicidade os caminhos aparente mente tortos da Evolução... Neste exato momento, meu figado ou meu cerebro sintetizam mais de 5 mil substâncias e eu não tenho A MENOR CONSCIÊNCIA do q se passa lá!!! Como posso 'saber' das '5 mil' significações q possam estar rolando agora no mundo potencial que gera minha realidade? O importante, insisto, é ser feliz, mesmo dentro de aparentes 'não-sucessos', diria. E tabém tenho dito. Deixa queto, é só p provocar!
    Podem me esquecer agora.

    ResponderExcluir
  14. Francisco, não suma não. Por favor continue acompanhando meu blog e discordando se for o caso. Leitores como você me são muito úteis.
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  15. Creio que os comentários do Francisco mostram que ele é uma pessoa que contesta a PNL apenas por ela existir. Percebe-se que seus comnentários são broncos e agrassivos. Mas as coisas são assim mesmo, quando as pessoas são tristes, elas não adimitem que os outros sejam felizes, então tudo aquilo que mostra felicidade é classificado como falso, ineficaz ou mesmo, garrafada.

    ResponderExcluir

Para comentar este artigo, escreva seu comentário, assinale a opção "NOME/URL" e clique em "publicar comentário".

SUA OPINIÃO, FAVORÁVEL OU CONTRÁRIA, É FUNDAMENTAL PARA MOTIVAR O BLOGUEIRO. NÃO DEIXE DE ESCREVER!