domingo, 1 de maio de 2011

Chega na hora, não causa problemas e faz o que tem que ser feito


Hoje é o dia do trabalho. E embora seja para a maioria das pessoas um dia de folga, o feriado do trabalho comemora “a vitória do trabalhador conquistando o direito ao descanso”. A data (1º de Maio) é comemorada no Brasil há mais de cem anos, tendo ao longo da história alguns eventos que a marcaram, como a criação da Consolidação das Leis do Trabalho (a CLT) em 01 de maio de 1943 e também o hábito dos governos de anunciarem o aumento anual do salário mínimo. Mas a palavra trabalho tem sido objeto de discussão, principalmente em relação ao seu real significado. Em parte porque no passado se distinguia o que era trabalho e o que era arte.

Enquanto os artistas aproveitavam seus talentos para transformar e criar, os trabalhadores viviam uma conotação de peso e dificuldade, onde pessoas exerciam tarefas, na maioria das vezes contra suas vontades. Para medi-lo, definiu-se na sua grande maioria e unidade de tempo, ou seja, à idéia de cumprir horário. As pessoas associavam trabalho ao fato de estarem num ambiente de trabalho e não necessariamente ao cumprimento de um objetivo. E como ainda há por parte de algumas pessoas a idéia de que trabalhar é um “castigo”, muitas pessoas confundem seus problemas pessoais como se eles fossem causados pelo trabalho, o que geralmente gera conflitos e situações de desvio de foco.

A mudança de conceitos pode levar 3 ou 4 gerações, mas hoje já podemos perceber que o jovem se preocupa com sua carreira e de alguma maneira questiona qual é então o perfil contemporâneo, seja para se moldar como tal ou para poder contratar melhor. E a melhor definição que eu ouvi foi numa palestra do empresário mineiro Sérgio de Souza Monteiro. Quando perguntado sobre “quem era o bom profissional, Monteiro citou as 3 características que devem ser valorizadas:

• É pontual

• Não cria problemas

• Faz o que precisa ser feito

Ainda o mesmo empresário adverte que não é tão simples encontrar alguém completo, com todas as qualidades desenvolvidas. Segundo ele, vale a pena encontrar pessoas de boa vontade e ter alguma paciência de desenvolver nelas a consciência e as habilidades necessárias. Então no dia do trabalho vale fazer a pergunta para os meus leitores: Diante da definição de bom profissional acima, você está em que nível? Afinal, hoje é dia de quem chega na hora, não causa problemas e faz o que tem que ser feito.

Para as próximas postagens, escreveremos qual é o perfil do "bom patrão". Afinal, patrão também é um trabalhador e não existe patrão sem empregado e nem empregado sem patrão. No fim, um depende do outro.

4 comentários:

  1. Frederico Alves Cerqueira2 de maio de 2011 22:37

    como dizia meu pai, FORMIDAVEL!

    ResponderExcluir
  2. Nunca encarei trabalho como castigo. Gosto de trabalhar.
    Mas nunca fui pontual...

    ResponderExcluir
  3. O grande problema é como o trabalho, o trabalhador e o patrão são vistos nas sociedades protecionistas. Nelas, acredita-se que o patrão sempre esta explorando o trabalhador e por isso este necessita de uma penca de leis inuteis para protege-lo. Por outro lado, o patrão acredita que o trabalhador esta la para prejudica-lo, bem como o governo. Nestes modelos, o patrão é sobrecarregado de impostos e o trabalhador tambem. Assim o patrão paga muito e o trabalhador recebe pouco.
    Nas sociedades onde o trabalho é ponto de orgulho, seja para o empregado como para o patrão, estas desavenças não existem (ou são bem menores). Sob este prisma, o patrão "compra" a mão-de-obra" do trabalhador, e este como um bom fornecedor se esforça para prestar o melhor serviço. Assim "o combinado não é caro".
    Nestas sociedades o trabalho é um orgulho.
    Entretanto, aqui no Brasil, trabalho é para "otario". Aqui quanto mais se possa ludibriar o patrão melhor. Quanto mais tempo sob o seguro desemprego, otimo. Profissão? Pra que? O negocio e Bolsa (familia, escola, leite, etc).
    Aqui os "trabalhadores" saem de casa e vão aos seus empregos por osmoze, não por principio.
    E', tem muita coisa para ser repensada neste 1º de Maio, que mais parece 1º de Abril.
    E' isso ai.

    ResponderExcluir

Para comentar este artigo, escreva seu comentário, assinale a opção "NOME/URL" e clique em "publicar comentário".

SUA OPINIÃO, FAVORÁVEL OU CONTRÁRIA, É FUNDAMENTAL PARA MOTIVAR O BLOGUEIRO. NÃO DEIXE DE ESCREVER!