domingo, 3 de julho de 2011

Trabalho em Equipe

Foto: Marcello Azzolini
Hoje, já no final da tarde, fiquei pensando numa ideia já debatida pelo publicitário Júlio Ribeiro em seu livro "Fazer Acontecer": a interessante diferença de empenho de uma mesma pessoa entre o emprego e o trabalho voluntário. Eu não vou utilizar os exemplos do livro para escrever essa crônica, mas sim vou discutir o trabalho em equipe.

Neste domingo eu tive o prazer (e também muito trabalho) de trabalhar como voluntário no Primeiro Almoço Italiano do Barão. Estávamos eu e minha esposa e mais cerca de 40 pessoas entre homens e mulheres, todos empenhados em fazer o melhor para os convidados e arrecadar dinheiro, do qual uma parte será doada para entidades de auxílio social. Então, prezados leitores, imaginem que entre essas 40 pessoas havia médicos servindo as mesas, dentistas trabalhando no bar, advogados na portaria, empresários recolhendo pratos e, claro, donos de restaurante na cozinha (este era o único trabalho que precisaria ser feito por profissionais). Mas a minha narrativa busca muito mais chamar atenção pela forma com que essas pessoas trabalharam.

Digo isso porque na empresa, pagando salários, benefícios e tudo mais, temos ainda alguma dificuldade de fazer com que as pessoas se dediquem como nos dedicamos hoje num evento que não rende uma única moeda para os nossos bolsos. E isso por quê? Em seu livro, Ribeiro diz que é pelo fato de que no evento, temos todos o mesmo objetivo, enquanto que na empresa se trabalha geralmente pelo objetivo do patrão. Mas eu gostaria de, com a minha vivência, complementar o que diz o nobre escritor: Todos trabalham porque vêem o outro trabalhar.

A verdade é que quando nós vemos toda a nossa equipe "dando um duro danado", ficamos muito envergonhados se não fizermos o mesmo. Por outro lado, quando notamos que uma parte de nossa turma não faz nada ou apenas se põe a distribuir ordens óbvias (aquelas que nem precisavam serem dadas), temos a tendência de "matar trabalho" também. Somos naturalmente adversos ao comodismo dos outros e a maneira mais comum de protestar é a de não fazer nada também. Pena que isso só piore as coisas... é como cortar fila: quando somos vítimas disso, nossa imediata reação é querer fazer o mesmo para não ficarmos pra trás. Então, um acomodado gera outro, que gera mais dois e, dalí a pouco, a empresa inteira está em ritmo de tartaruga.

Para que todos de sua equipe trabalhem, comece dando o exemplo. Se você, como líder, trabalhar bastante e realmente "colocar a mão na massa", todos farão o mesmo. Se você não for o líder, nenhum problema, continue trabalhando, pois os colegas acomodados serão colocados para escanteio pela própria equipe, que não aceitará o desconsoante.

6 comentários:

  1. Realmente Aguinaldo. Infelizmente nós estamos condicionados a se comportar como os demais de um mesmo grupo. Isso seja religioso, hob, esporte, moda... E assim em diante. Nossa postura é sempre seguir, não nos damos a oportunidade de criar.
    Tomar a iniciativa custa mais. Trabalho, disposição, criatividade, conhecimento, fé, crença, comprometimento e muita responsabilidade. Coisa que hoje em dia, não é fácil de encontrar.

    ResponderExcluir
  2. Marcia Amanda Seravale6 de julho de 2011 00:47

    O almoço foi bem bacana! Parabéns ao pessoal pela bela iniciativa de solidariedade

    ResponderExcluir
  3. Fala Guina qto tempo né... como vc está?

    ResponderExcluir
  4. Não poderia de deixar de fazer um pequeno comentário por aqui: participei deste grupo e observei uma coisa que nem sempre se vê quando se fala em EQUIPE: a união. O serviço era de todos e não daquele que foi designado a fazê-lo. Sendo assim, todos trabalharam em prol de uma causa.
    Daí o resultado positivo.
    Bom seria se no meio corporativo todos tivessem esse tipo de consciência.
    Ressalto: não houve gasto com treinamento para preparar o pessoal.
    Se nas empresas houvesse essa sinergia, com certeza, altos gastos com o treinamento poderiam ser revertidos em benefício do próprio funcionário.
    Isso seria o ideal.
    Parabéns a todos e à postagem deste evento importante no Crônicas.
    É isso

    ResponderExcluir
  5. Aguinaldo, o almoço estava ótimo, certo que era cozinheiro profissional e o musico também devia ser porque estava muito bom. parabéns pelo evento tchau

    ResponderExcluir
  6. Oi Geninha, boa tarde!
    Sim, o Musico é profissional sim, é o Paulinho Perre. Ele também é do nosso grupo. Vou dizer que vc gostou.

    ResponderExcluir

Para comentar este artigo, escreva seu comentário, assinale a opção "NOME/URL" e clique em "publicar comentário".

SUA OPINIÃO, FAVORÁVEL OU CONTRÁRIA, É FUNDAMENTAL PARA MOTIVAR O BLOGUEIRO. NÃO DEIXE DE ESCREVER!