sábado, 6 de agosto de 2011

Facebook é coisa de adolescente?


"Tudo que é novo assusta", isso eu aprendi faz quase 20 anos. Mas há 20 anos atrás a gente nem pensava que iria se assustar tanto. Mas o bonde da internet, que começou a se popularizar no Brasil com a chegada do século XXI, trouxe também alguns passageiros muito interessantes, como as redes sociais. Desde o orkut que virou febre em 2005, o twitter com a sua simplicidade, o linkedin e agora o facebook que ganhou terreno pela ampla funcionalidade. A pergunta que fica é: isso é bom ou ruim para o profissional?

Inicialmente as empresas e seus chefes quarentões achavam que isso era coisa de adolescente, afinal foi entre esse público que surgiu a febre. Pensavam que era uma onda passageira, uma coisinha de menininhas que ficavam usando a internet como entretenimento nas tardes livres depois do colégio e por isso bloqueavam os acessos na empresa, assim como já eram bloqueados o msn, icq, etc. Mas, aos poucos, a idade média dos acessadores foi aumentando e o orkut virou uma página de boas vindas, que quando bem elaborada virava um bom acréscimo ao Curriculum. O twitter parecia ser um caminho sem volta, pois era instantâneo a publicava pensamentos, mas parece que o facebook fazia tudo isso e ainda mais.

A questão é que, enquanto muitos dizem que as comunidades virtuais são coisas de adolescentes desocupados, outros as usam para estabelecer contatos e abrir portas. Os blogs passaram a divulgar pensamentos, ideias, treinamentos e até produtos; o facebook busca unir profissionais do mesmo segmento em comunidades específicar e o linkedin funciona mesmo para expor o profissional ao mercado. Quando alguma coisa emperra na empresa, uma pessoa com bom network conhece sempre alguém que pode ajudar a resolver.

Sobre a argumentação que se perde muito tempo com as fofocas no twitter, isso é sim uma verdade. Mas não vejo qual é a diferença entre fofocar online ou pessoalmente, pois muda apenas a modalidade e o recurso. Apenas é importante manter-se cuidadoso, pois tudo que é gostoso vicia e se o internauta passa dos limites, sofrerá com um desfalque em outros campos de sua vida, como a falta de concentração no trabalho ou mesmo a perda de noites de sono pra ficar na Internet.

A melhor situação é estabelecer horários para ver o face, por exemplo 2 vezes ao dia e evitar aquelas "discussões" online, onde a pessoa entra de 5 em 5 minutos para se inteirar do que está rolando. Então, não estar nas redes sociais não é legal e significa que você está desconectado do mundo. Mas o vício e o uso excessivo também são ruins porque escravizam o usuário. Quem não tem limites, pode cair em paranóia, pois até para dormir e tomar banho haveria o risco de se perder alguma coisa na rede, afinal o seu interlocutor não dorme... ou é como a mosca da sopa do Raul Seixas: sai uma e entra outra em seu lugar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para comentar este artigo, escreva seu comentário, assinale a opção "NOME/URL" e clique em "publicar comentário".

SUA OPINIÃO, FAVORÁVEL OU CONTRÁRIA, É FUNDAMENTAL PARA MOTIVAR O BLOGUEIRO. NÃO DEIXE DE ESCREVER!