quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Gente como a gente, mas que sabe um pouco mais que a gente



Ao longo da minha carreira, conheci alguns chefes autoritários e mandões. Na maioria das vezes este perfil de profissional se torna um enorme problema para as organizações, sejam elas empresas comerciais, entidades religiosas ou associações de qualquer tipo. Conheci um presidente de clube que era um ditador declarado, um CEO de multinacional que não pensava duas vezes em contrariar os diretores, um padre que saia de si quando era obstruído em seus planos para os eventos, entre tantos outros que eu ainda poderia citar. Algumas dessas pessoas nem chegaram a ser chefes de vez, tornando-se quando muito uma espécie de "eminência parda" dos tempos modernos.

Mas o ponto interessante é que duas dessas tantas figuras ficaram em minha memória, pois embora totalmente autoritários, reuniam características que os fazia serem seguidos pelos seus liderados e, mesmo dando suas "marteladas", acabavam tendo seus adeptos em número elevado. E porque isso acontece com alguns? Se o cidadão não gosta de chefes mandões, porque alguns deles conseguem ter seguidores fiéis e felizes? A resposta que eu pude apurar se baseia nas 5 características que diferenciavam esse dois dos outros tantos.

1 - CONFIANÇA
Os dois chefes eram altamente confiáveis. Além disso eram considerados pessoas boas, justas e incapazes de "passar a perna" nos demais colegas de trabalho. Com isso, mesmo contrariada, a equipe seguia suas ordens porque sabia que não haveria conflitos de interesses e que no final aquela ação seria boa para todos.

2 - CAPACIDADE TÉCNICA
Eles sabiam fazer aquilo que queriam que fosse feito. Tinham tranquilidade ao ordenar alguma ação, ainda que contestável, pois já haviam feito aquilo antes. E eram pessoas de sucesso, portanto passavam uma segurança muito grande para suas equipes de que aquilo que estava sendo pedido daria resultados.

3 - CARISMA
Ambos os citados eram pessoas altamente comunicativas, carismáticas e conseguiam unir as pessoas em torno de um objetivo. Quando faziam algo diferente, gostavam de falar o motivo e mesmo quando contrariavam alguém, esse alguém permanecia trabalhando pelo chefe, pois sabia que o chefe merecia.

4 - HUMILDADE
Eram pessoas sem frescuras. Ficavam felizes ao ver o sucesso dos outros e não faziam questão de se apresentarem como os pais da criança. Eram capazes de se divertir tanto num buffet no Copacabana Palace quanto em um churrasco na laje da casa do seu funcionário mais pobre. Isso gerava nestes dois chefes uma magia de serem vistos por todos como "gente como a gente", mas que sabe um pouco mais que a gente.

5 - TRABALHO
Eram muito trabalhadores. Passavam a ideia de serem os primeiros a assumir suas próprias ordens.

Finalizando, quero dizer que com essas cinco características um cidadão mediano pode ser um bom chefe, ainda que goste de que tudo seja feito em cima das suas próprias estratégias.

3 comentários:

  1. Muito bom em!!!!!

    Parabéns lindos textos. Não sei como sai essas coisas dessa cabeça, será que é a falta de cabelos..... bom vamos pesquisar isso!!!!
    Abração Berg

    ResponderExcluir
  2. Berg, podemos fazer a experiência! rsrs
    Abraços

    Aguinaldo

    ResponderExcluir
  3. De novo um texto brilhante! Sensato. Para ler e pensar.

    ResponderExcluir

Para comentar este artigo, escreva seu comentário, assinale a opção "NOME/URL" e clique em "publicar comentário".

SUA OPINIÃO, FAVORÁVEL OU CONTRÁRIA, É FUNDAMENTAL PARA MOTIVAR O BLOGUEIRO. NÃO DEIXE DE ESCREVER!