sábado, 23 de junho de 2012

Quem se vale apenas dos títulos, tende a acabar os ostentando para ninguém



No inicio de minha carreira como gerente eu vivia me metendo em encrencas ou mesmo me indispondo com pessoas de outros departamentos e, na época, eu não entendi o porquê. De tempos em tempos, eu me via obrigado a discutir publicamente com alguém para exigir mais respeito a mim. Em todas essas situações, a única coisa que eu conseguia era a antipatia das pessoas envolvidas. Até que um dia uma amiga me disse que ao invés de querer ganhar o respeito dos outros no grito, eu deveria fazê-lo pelo exemplo. Ela me contou o caso do Tio Euclides, seu tio-avô, que por ser uma pessoa tão justa e correta, gerava admiração nos outros e qualquer impasse que se tivesse com ele, fazia o outro lado sentir um grande peso na consciência.

Diz a história que o Tio Euclides era o caçula da família e viveu muitos anos além de seus irmãos. Por conta disso e de sua boa postura, acabou se tornando referência para o restante da família, a ponto dos maridos de suas sobrinhas o procurarem para buscar conselhos. Segundo consta, ele nunca precisou levantar a voz para ninguém e quando sabia de algum conflito na família, apenas fazia uma visita sem ao menos tocar no assunto. Só a sua serena visita para um café, numa tarde de domingo já passava o recado e as pessoas refletiam. Uma vez indagado sobre o assunto, ele disse que “o verdadeiro respeito não é alcançado por títulos e nem pela idade, mas sim pelo reconhecimento que as pessoas te oferecem”.

É bem verdade que muitos chefes se fazem respeitar pelo título e pelo cargo, pois geram nos seus chefiados um certo medo da punição. Mas isso não é sustentável e num determinado momento alguém vai “chutar o pau da barraca” e mandar o chefe para aquele lugar. Quem se vale apenas dos títulos, tende a acabar os ostentando para ninguém. Por outro lado, quando um líder é respeitado pelos seus atos, as pessoas podem eventualmente até discordar de seus pontos de vista, mas jamais se colocarão em combate com o mesmo. Parece que em raras situações, Tio Euclides foi vítima de alguma grosseria e, nesses casos, sua postura era sempre a mesma: ficava quieto e saía. Isso bastava para que recebesse a solidariedade de todos os outros e o agressor geralmente vinha pedir desculpas em pouquíssimo espaço de tempo.

Normalmente a pessoa que “exige respeito” se ofende com coisas que não seriam suficientes para tanto. A exigência do respeito imediato indica a falta de paciência para conquistá-lo a médio e longo prazo, o que segundo a psicologia, é reflexo da insegurança. O verdadeiro respeito se conquista pela bondade, honestidade e boa conduta. Ao dar bons conselhos, ser correto em suas atitudes e ponderado em suas decisões, estará demonstrando sabedoria, uma das maiores e mais raras especiarias que um ser humano pode produzir. Todo cidadão inteligente admira os sábios... mas mas a sabedoria ensina que nem todo cidadão é inteligente o suficiente e que sempre uns irão maltratá-los... e contra a ignorância não existem gritos que possam resolver.

Para concluir, posso apenas dizer que não é razoável jurarmos rancor por um amigo devido a uma discussão eventual, pois ao fazê-lo, estaríamos nos esquecendo de todos os momentos bons do passado. Também não podemos condená-los apenas por terem atitudes que nós não teríamos, pois quando julgamos alguém em comparação a nós mesmos, estamos agindo com excesso de soberba, acreditando que somos nós o modelo ideal de ser humano. Ao dizer “eu nunca fiz isso com ninguém e por isso não aceito que façam comigo”, esquece-se que faz outras coisas tão ruins quanto em outros campos de sua vida. Afinal, cada pessoa tem um defeito diferente e se todos tivessem o mesmo defeito, não haveria ninguém para dar exemplos de correção.

E eu faço questão de aprender isso diariamente.

Um comentário:

Para comentar este artigo, escreva seu comentário, assinale a opção "NOME/URL" e clique em "publicar comentário".

SUA OPINIÃO, FAVORÁVEL OU CONTRÁRIA, É FUNDAMENTAL PARA MOTIVAR O BLOGUEIRO. NÃO DEIXE DE ESCREVER!