quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

O Ético e o Esperto

Aprendi com o meu grupo de network que confiança tem curva. É isso mesmo, tem curva. Essa curva se inicia no ponto onde ela começa a aumentar naturalmente, sem que haja esforço para tanto. Quando conhecemos alguém, fazemos uma leitura involuntária de seu jeito de agir, de falar, de se comportar (chamamos isso de sexto sentido). Criamos imediatamente uma “primeira impressão” desse alguém, que pode ser positiva ou negativa e que, por bastante tempo, será a imagem que temos do sujeito. Até este ponto, se a relação depender de alguma confiança, ela será por pura opção. Ou seja: confio em fulano porque OPTEI em confiar.

Porém, algumas coisas podem nos fazer aumentar o nível de confiança, desde boas referências de alguém conhecido até o histórico e a reputação de um curriculum. Comercialmente, temos a tendência de confiar mais em empresas mais antigas, mais representadas e maiores do que nas empresas menores ou recém fundadas. Temos sempre a sensação de que as marcas mais conhecidas nos dão uma garantia maior de que o serviço ou o produto será entregue de acordo com o combinado, talvez porque essa marca tivesse mais a perder do que outras menores. Na prática, isso nem sempre se confirma, pois os bancos e as telefônicas estão entre as marcas as mais divulgadas do país e também são as campeãs de reclamações nos Procons municipais.

Ser digno de confiança é algo muito importante. Podemos notar que, mesmo as pessoas com menos caráter tentam ganhar a confiança de alguém para poderem ter alguma suposta vantagem em alguma coisa. Então, no mercado de trabalho, encontramos dois tipos de pessoa: o ético e o esperto. Dependendo das tradições e da cultura de uma pessoa, ela valoriza a esperteza, a malícia e a habilidade de aproveitar qualquer brecha para se beneficiar e, quem sabe, subir degraus e atingir seus objetivos. São pessoas que querem apenas se dar bem, tendo pouca ou nenhuma preocupação com o bem estar dos outros ou de como isso vai influenciar em sua comunidade. O ponto negativo de ser uma pessoa assim é que fará uma relação podre com a sociedade e aqueles ao seu redor também viverão procurando as mesmas brechas para a derrubarem, usando contra ela as mesmas espertezas.

O outro perfil é o do ético e correto, que constrói uma relação em cima de anos de prova de fidelidade, com práticas confiáveis e a tradição de agir conforme as regras, mesmo perdendo alguma oportunidade ilícita de obter benefícios momentâneos. Este profissional geralmente colherá os frutos somente depois de um determinado período e é por isso que alguns ansiosos preferem o caminho mais curto. Mas quando o cara entende que viver em um mundo sem regras dá apenas uma sensação de liberdade e não a liberdade real, ele passa a cumprir as etapas da boa vizinhança. Quando não existem regras e nem deveres, também é impossível existirem os direitos e a relação passa a ser a lei do mais forte e do mais esperto. Aparentemente isso é bom para o forte ou esperto, mas a gente precisa sempre lembrar que na selva, sempre há o predador do predador e num mundo sem lei sempre vai surgir o outro, ainda mais esperto.

Melhor mesmo, ainda é a velha lei da confiança, que por mais que mudem as gerações, ela continuará valendo e sendo valorizada pela população de boa fé. A boa notícia é que, ao longo da história, ser ético e correto tem trazido mais benefícios do que a tirania pura. Pode acreditar!

2 comentários:

  1. Infelizmente, algumas pessoas se aproveitam da boa índole de seus colegas para tirar proveito, se achando a pessoa mais esperta do mundo. Tenho dó deste tipo de gente, que além de perder a credibilidade, ter poucos amigos verdadeiros e normalmente é uma pessoa pobre de espírito.
    Na maioria das vezes estas pessoas querem acelerar seu processo de crescimento profissional e/ou financeiro sem o amadurecimento necessário para lidar com um cargo melhor ou com uma situação financeira privilegiada, se tornando na maioria das vezes uma “moeda falsa” podendo perder todo o seu valor a qualquer momento.

    ResponderExcluir
  2. puta vida, que texto maravilhoso. Tenho um monte de amigos que precisariam ler isso. Vlw

    ResponderExcluir

Para comentar este artigo, escreva seu comentário, assinale a opção "NOME/URL" e clique em "publicar comentário".

SUA OPINIÃO, FAVORÁVEL OU CONTRÁRIA, É FUNDAMENTAL PARA MOTIVAR O BLOGUEIRO. NÃO DEIXE DE ESCREVER!